Saiba como se prevenir e cuidar dos problemas que atingem a ATM
Marque uma Consulta: (71) 3034-4800

Dor no ouvido? Ninguém merece...

Dor no ouvido? Ninguém merece…

A audição é um sentido importante. possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo  social. Patologias nesta região podem promover perdas auditivas se não forem diagnosticadas e tratadas.

Mas como saber se uma dor no ouvido é algum tipo de patologia?

Em primeiro lugar deve-se ter em mente que nem sempre a otalgia (dor no ouvido) significa uma  otalgia primária, aquela originária daquele local. As causas mais frequentes das otalgias primárias são as otites.

Por outro lado, é comum os pacientes procurarem o otorrinolaringologista relatando dor no ouvido onde a causa da dor não está localizada no ouvido e sim em regiões próximas, provocando dor referida ou otalgia secundária. Podemos citar várias regiões como: seios paranasais, faringe,boca, laringe, parótidas, glândulas submandibulares, dentes e na articulaçào temporomandibular.

Dentro da perspectiva odontológica, o exame da  integridade auditiva torna-se um ponto crucial, para um correto diagnóstico diferencial entre estas varias patologias.

Costen descreveu uma síndrome em 1934,  que ficou conhecida com seu nome : Síndrome de Costen. É conhecida também como Síndrome  dolorosa da  Articulação Temporomandibular (ATM), onde eram sintomas frequentes otalgia (dor nos ouvido), sintomas acústicos (ruídos ou zumbidos), cefaléias (dores de cabeça), rigidez temporomandibular, dor miofascial as vezes acompanhada de maloclusão drentária, bruxismo, limitação de abertura bucal ou cliks na atm. Por ser um médico otorrinolaingologista, ele pode constatar que tanto os pacientes que apresentavam sintomas auditivos possuiam como causa primária a otite, como vários outros apresentavam dor no ouvido proveniente das outras estruturas citdas acima.

 

cabeça da mandibula

Atualmente, sabe-se que a articulação temporomandibular quando apresenta algum tipo de patologia  pode conduzir a uma disfunção local e consequentemente provocar dor secundária, principalmente nos casos em que o côndilo ou cabeça da mandíbula encontra-se deflertido, alterado no seu eixo de crescimento, e mais para trás de onde deveria estar. Esta posição mais posterior pressiona uma área denominada de zona bilaminar, bastante inervada. Portanto, a dor é percebida como sendo dentro do ouvido.

Quando o odontólogo faz o exame clínico, poderá diagnosticar antes do médico, inclusive,  e encaminhá-lo para tratar a otalgia, quando a causa não é proveniente de estruturas que competem sua área.

Tratamento?

Vai depender da patologia de base. Se a causa é verdadeira ou primária no ouvido,  seu médico (otorrinolaringologista), é a pessoa mais apta a tratá-la. Se a causa é secundária, um  Dentista especializado na área é a pessoa mais indicada para conduzir o tratamento!

Ainda possui alguma dúvida? Comente para que eu possa esclarecer ou entre em contato.

79 Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.